quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Escolhendo escolas e alunos


Gente, é muito difícil escolher escola para o seu filho.
Hoje em dia, aliás, não são só os pais que escolhem a Escola, mas as Escolas também escolhem os alunos.
Todas as Escolas agora fazem uma "avaliação" da criança candidata a uma vaga em qualquer ano de qualquer ciclo.
No Fundamental, em algumas escolas, esse processo gera um stress na criança e na família que antigamente não existia.
Antigamente existiam ou não vagas disponíveis, não era necessário levar todo o material usado na escola anterior, o boletim, relatórios, para serem analisados por coordenadores.
Como também não era necessário que a criança passasse por uma avaliação com uma pessoa que ele nem conhece e que anota todas as impressões que teve da criança em 30 minutos de conversa para depois relatar os mínimos detalhes aos pais como se fosse uma cobrança pelo desempenho ideal.
Falo isso porque o Bruno passou por um processo desses esta semana e eu me vi de repente na frente de uma "Coordenadora" com uma postura extremamente crítica, colocando impressões que ela teve do meu filho e que eram todas falsas pois o tempo é muito pequeno para se tirar conclusões sobre a personalidade da criança.
Para se ter uma idéia ela me disse que o Bruno pareceu uma criança agressiva porque disse que brigava na Escola. Se tem uma coisa que o Bruno não é é agressivo! Nunca presenciei uma agressão sequer que ele tenha feito. Ele reage, ele briga quando provocado, mas longe de ser uma "criança agressiva" - o rótulo.
E outra observação com muita crítica foi de que ele vinha de um Colégio "tradicional".
Hoje algumas escolas acham isso um palavrão! Escola tradicional para elas é o mesmo que reformatório!
Como essa visão está distorcida meu Deus!
O fato de ele ter aprendido a montar contas de somar e subtrair é um pecado mortal para ela! Será que existe outra alternativa mais genial?
O Colégio que segue uma linha mais conservadora, cobra disciplina e conteúdos em provas virou sinônimo de Reformatório para Menores.
O fato do Bruno ter dito que não passava tardes inteiras em livrarias pareceu a ela um defeito gravíssimo.
Ele disse que não tinha uma "Biblioteca" em casa...OHHHH...outro defeito imperdoável.
O que está acontecendo com a educação?
Eu não me lembro de ter nenhuma biblioteca em casa, mas eu lia muuuuitos livros, sempre amei ler, tampouco passava tardes em livrarias...não existiam essas "Megastores" de hoje, muito menos Shoppings!
Que ponto de vista mais reducionista esse que se leva em conta em algumas seleções dessas.
Fica difícil diante deste tipo de postura preconceituosa, crítica e completamente "zen" noção, saber se essa Escola será uma boa alternativa para o Bruno.
Fiquei muito decepcionada pois esperava um pouco mais de inteligência nesse Colégio e encontrei só clichês da filosofia dita "construtivista". Que pena.
Tenho certeza de que vou agora correndo em busca de outro Reformatório....do jeitinho que era o Colégio onde eu estudei - e que me fez muito bem, me formou uma pessoa responsável, respeitadora, crítica e estudiosa. É ruim isso agora?

Nenhum comentário: